HALLOWEEN: A INVASÃO DAS BRUXAS

O que diz a Bíblia sobre a comemoração do Dia das Bruxas

"E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as" 
Rm 5:11.

A comemoração do Dia das Bruxas tem se tornado mais popular a cada ano nas escolas brasileiras. Sua celebração, porém, tem um conteúdo espiritual que é desaprovado pela Palavra de Deus

A palavra Halloween tem sua origem na contração feita de maneira errada da expressão "All Hallows Eve", que significa: "Dia de todos os santos" e que corresponde ao dia 10. de novembro, em que no catolicismo é reverenciado os santos mortos.

A celebração anual do Halloween ou "Dia das Bruxas" tem se tornado muito comum em alguns países e também, nos últimos anos, no Brasil, principalmente através da rede de escolas públicas e privadas do nosso país.

Mas, afinal, que celebração é essa? Qual a sua origem? Trata-se apenas de uma festa ingênua ou contém uma influência espiritual em sua essência? Qual deve ser a posição dos cristãos quanto a essa celebração?


Origem

Superstições e influências de várias culturas uniram-se, através dos séculos, criando o Halloween – "Dia das Bruxas", comemorado no dia 31 de outubro.

A festividade do Halloween tem suas raízes nos festivais de outono dos celtas (povo do hemisfério norte). Os celtas viveram há centenas de anos onde hoje é a Grã Bretanha e o norte da França. Eram idólatras animistas, pois adoravam a natureza e tinham o deus sol como divindade favorita. Seus sacerdotes eram chamados de druidas, influentes "guias espirituais" e dados a magia e feitiçaria.


Os celtas criam que o ano novo deveria ser comemorado na última noite de outubro, pois acreditavam que o véu entre o nosso mundo e o mundo dos mortos se tornava mais frágil, sendo essa noite a ideal para se comunicar com os que já morreram.

Acreditavam também que os espíritos dos mortos voltavam ao antigo lar procurando algum contato com entes queridos. Se os vivos não providenciassem alimentos para esses espíritos, coisas terríveis poderiam lhes acontecer.

E pior: se não lhes fosse oferecida uma festa nessa data, atormentariam os vivos. Seria uma noite de medo. Os aldeões, amedrontados, acendiam fogueiras para honrar o deus sol, sacrificando-lhes animais e oferecendo-lhes parte das colheitas porque temiam que os espíritos matassem seus rebanhos e destruíssem suas propriedades.

A fim de "enganar os espíritos", eles passaram a se vestir com roupas negras e com máscaras, saindo em desfiles barulhentos pelas ruas, sendo tão destrutivos quanto possível, a fim de "assustar e amedrontar os espíritos que estavam à procura de corpos para possuí-los".

Ofertavam, então, seus sacrifícios em altares adornados com maçã, simbolizando a vida eterna. O vinho era substituído pela cidra, ou suco da maçã - tudo isso misturado com muita música e dança.

Nesta mesma época do ano, os povos latinos e em especial os romanos comemoravam, o festival de "Pomona", deusa das frutas e dos jardins. Era uma ocasião de festa e alegria, pois estava relacionada com as colheitas.

A maçã e as nozes eram ofertadas aos deuses romanos em grandes fogueiras como um gesto de agradecimento por causa da boa colheita do ano anterior. Essa celebração tinha também seu aspecto místico, com espíritos e bruxas presentes rondando as festividades.

A presença das bruxas

Bruxas e feiticeiras sempre foram vistas como adoradoras de demônios e detentoras de poderes mágicos e ocultos. Na Idade Média eram consideradas perigosas, pois se agrupavam em comunidades anticristãs.

Elas se apresentavam com chapéus pontudos, duendes, poções mágicas, corvos, sapos e vassouras voadoras. Eram conhecidas pela capacidade de manipular poderes sobrenaturais, provocando horríveis tempestades e causando mal às pessoas.

No século XV, XVI e XVII houve uma grande perseguição às pessoas envolvidas com bruxaria por parte da Igreja Católica Romana, levando à morte milhares. Embora inicialmente a Igreja Católica condenasse os festivais como o de "Pomona", não foi capaz de reprimi-lo por completo e, então, acabou por incorporá-lo ao calendário cristão.

O grande festival celta em homenagem aos mortos, "Samhain", foi adotado como o "dia de todos os santos" em 1o. de novembro, passando a ser celebrado em homenagem a todos os "santos e santas" que já haviam morrido.

É importante notarmos a postura que a Igreja Católica assumiu, pois aquilo que era tão proibido e motivo até de perseguição passou ser cultuado a ponto de tornar-se o famoso feriado de "finados", dia consagrado a cultuar os mortos.


A celebração hoje

Atualmente, um dos maiores divulgadores do Halloween tem sido o sistema de escolas públicas na América do Norte e Europa, patrocinando as atividades dessa festa através de concursos de fantasias, danças, carnavais, exposições de arte e artesanatos. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Halloween é celebrado como um dia de festa, assombrações, truques e magias.

O Halloween é também o dia em que as crianças saem às ruas para praticar o "trick-or-treting" (travessuras-ou-gostosuras: dê-nos coisas gostosas ou faremos travessuras). Esse costume surgiu no século IX na Europa, onde no dia 2 de novembro era celebrado o "Dia de todas as almas" ou o "Dia dos mortos". Nessa data os cristãos andavam de vila em vila para ganharem tortas de pão e groselha.

Quanto mais tortas recebiam, mais orações eles prometiam fazer em memória dos parentes mortos daqueles que doavam as tortas. Naquela época acreditavam que os mortos ficavam num "limbo" por um período de tempo após a morte e que através das orações, mesmo de estranhos, aconteceria a passagem do limbo para o céu.

As lanternas de Jack

Muitos agricultores apóiam o Halloween, uma vez que a abóbora é acessório indispensável, especialmente nos Estados Unidos, para a confecção das "lanternas de Jack". Trata-se de uma abóbora sem miolo em forma de caveira com uma vela acesa dentro, que tem o objetivo de "expulsar os maus espíritos e os duendes que vagueiam pelas noites".

Esse costume tem origem no folclore irlandês. Segundo a lenda, um homem chamado Jack, notório beberrão e trapaceiro, certa ocasião esculpiu a imagem de uma cruz no tronco de uma árvore e a acendeu com fogo como uma armadilha para prender o diabo que estava na mesma.

Mas Jack acabou fazendo uma acordo com o diabo: se o demônio nunca o atormentasse, Jack apagaria a cruz e o deixaria descer da árvore. Conforme o acordo, depois que Jack morreu, sua entrada no céu foi negada por causa do seu trato com o diabo. Também lhe foi negada a sua entrada no inferno por ter enganado o diabo.

Foi então que o demônio ofereceu-lhe uma vela para iluminar seu caminho através da fria escuridão. Jack colocou a vela dentro de um grande nabo a fim de mantê-la acesa por mais tempo, esculpido até ficar oco para dar passagem à claridade.

Originalmente os irlandeses usavam nabos para fazerem suas lanternas de Jack, porém quando os imigrantes chegaram aos Estados Unidos, eles começaram a usar as abóboras, muito mais adequadas, que passaram a ser o símbolo mais marcante do evento.

À luz da Bíblia

O envolvimento das pessoas de todas as classes sociais com toda sorte de "ocultismo camuflado" está mais intenso em nossa época do que em qualquer outra. 

A quiromancia (predição do futuro pela leitura das mãos); a astrologia (predição do futuro pela influência dos astros); a cartomancia (predição do futuro através da manipulação de cartas) e a necromancia (predição do futuro pela invocação dos mortos) têm se tornado moda e parte integrante de nossa cultura.

Os meios de comunicação constantemente têm enaltecido os videntes, magos, fadas, gnomos, duendes ou os cristais, que insistem em prometer fazer aquilo que cabe só a Deus: prever o futuro.

Com essa grande variedade de práticas ocultistas, consolida-se o irresistível gosto popular pelo Halloween, tanto divulgado atualmente nas escolas brasileiras. Aqui em nosso país, assim como em todo o mundo, nem mesmo as crianças são poupadas do ocultismo.

O mais recente best-seller da literatura infantil, por exemplo, é uma série que tem um "bruxinho" chamado Harry Potter como protagonista. Os volumes da coleção ocupam sempre a primeira posição em vendas do mundo na categoria infantil.

A celebração do Halloween deve ser, portanto, reprovada pelos cristãos, pois está intimamente associada à necromancia (tentativa de comunicação com os mortos), crença espírita de que o morto é um mensageiro e deseja trazer algum recado celestial, um ensinamento ou um aviso.

A pessoa que até mesmo por brincadeira se entrega a estes contatos, deve conscientizar-se de que essas manifestações não são provenientes de espíritos de mortos, pois quem morreu não está à disposição de evocações, conforme lemos em Hebreus 9.27 – "...aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois disso o juízo".

Sem percebermos, nossos filhos têm sido envolvidos por um emaranhado de informações enganosas e diabólicas, que têm se apresentado apenas como uma "brincadeira inocente". Aliás, não é de se estranhar, pois a palavra de Deus declara que "Satanás se apresenta como um Anjo de Luz" (II Co 11:14,15).

A Palavra de Deus declara o seguinte sobre tais práticas:

"Quando, pois, vos disserem: consultai os que têm espíritos familiares e aos adivinhos, que chilreiam e murmuram: Porventura não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos consultar-se-á os mortos? À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles" – Is. 8:19,20.

"Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, a não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou irritaremos ao Senhor? Somos nós mais fortes do que Ele? Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convém; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas edificam" – I Co 10:20-23.

Vivemos dias em que há uma forte tendência, mesmo dentro da Igreja, de aceitar os valores e práticas do mundo como algo absolutamente normal. Precisamos entender que há uma intensa guerra espiritual sendo travada, na qual o nosso inimigo tem se utilizado de artifícios extremamente sutis a fim de enganar o povo que se chama pelo nome do Senhor.

A Palavra de Deus declara que nos últimos tempos a iniqüidade se multiplicaria, e que se tornaria mais patente a diferença entre aqueles que caminham com Deus e aqueles que não o fazem.

É exatamente por isso que o apóstolo Paulo nos exorta em II Coríntios 6, versos 17 e 18: "...Retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras e Eu vos receberei, serei vosso Pai e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-poderoso".

Muitos têm dificuldade em se posicionar e agem como se tudo estivesse no campo do "relativo". Porém a Bíblia é clara ao nos advertir sobre as coisas que são abomináveis ao Senhor. O próprio Deus exige da Sua Igreja um posicionamento sério,para que o mundo saiba quem nós somos:

"Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem mal; que fazem da escuridão luz e da luz escuridão; põem o amargo por doce e o doce por amargo" - Is 5:20.

"Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim porque és morno e nem és frio nem quente, estou a ponto de vomitar-te da minha boca" - Ap 3:15,16

Que o Senhor nos faça entender que "refletir Sua glória nesta terra exige um alto preço!" É importante que nos posicionemos juntamente com nossos filhos e os levemos a entender que não se trata apenas de ir contra a alguns valores culturais, mas de assumirmos um posicionamento cristão consciente de não nos moldarmos e nem nos contaminarmos com as iguarias do deus deste século. É somente assim que o mundo nos reconhecerá como uma voz profética nesta terra.

Pastor Davi de Sousa

Nova Aliança de Londrina